QUALQUER UMA

Pentium 486

No final da década de 90, vivi uma tarde diferente. Meu pai dizia que nos faria uma grande surpresa e nos levou a uma loja de eletrônicos. Eu tinha uns 13 anos e, meu irmão, 8 ou 9. Era um baita presente, muito embora, a gente não sabia o tamanho da revolução que nos aguardava mais adiante. Voltamos para casa transportando um Pentium 486 e tudo de mais moderno que poderia sonhar uma família comum de Goiânia.

Não demorou para nossa primeira assinatura de internet. A novidade era tanta que, nesta época, ao fazer a assinatura, o assinante indicava alguém para passar uma tarde no escritório da empresa para aprender entrar em sites ou criar um e-mail, por exemplo. Coube a mim a tarefa de assistir aula de internet e aprender o “www.”.

Eram tempos de muito sono na escola, uma vez que a internet discada tinha preço alto durante o dia e uma tarifa muito reduzida depois da meia noite. Impossível não lembrar da cantoria que o computador fazia em parceria com o modem para acessar a tal da internet. Salas de bate papo Uol, Mirc, Icq, Winamp e tantas outras coisas passaram a fazer parte do “noite a noite” lá de casa.

Eu e meu pai tivemos uma relação muito musical. Não sabíamos tocar nem cantar nada, não tínhamos nenhum dom, mas aprendi com ele o hábito de ouvir, estudar as letras e cantar, seja no banheiro ou nas rodas etílicas. Essa premissa fez meu coração bater mais forte quando lia sobre a revolução do Napster.

O nosso toca fitas vivia rodando as coletâneas que meu pai fazia ouvindo a Executiva FM. Todas as músicas continham o barulho do acionamento do gravador, a sua interrupção e, por várias vezes, algum comentário da radialista charmosa dizendo o nome da rádio e hora exata. Vez ou outra o sono apertava e acontecia da música acabar e gravador ainda pegar um pedaço de propaganda e uma eterna exclamação do meu pai acordando: “Porra!!…       tap”.

Era sofrimento preencher uma fita para rodar no carro e agora chegava o tal de Napster e dizia que você poderia simplesmente pegar a música que quisesse com qualquer pessoa do mundo. Naquele dia eu sabia que a minha vida ia mudar e das fitas também. Não se encontra mais pessoas rodando uma caneta Bic para salvar uma fita engasgada.

Com o Napster devidamente instalado, com dois cliques, o milagre da transferência MP3 começava diante dos meus olhos. Depois de uma madrugada inteira para baixar um arquivo de 3 megas, as caixinhas de som alojadas por detrás do monitor, tocavam Chiclete com Banana importado de um estranho sabe-se lá de onde.

Finalmente acordei meu pai e lhe contei do Napster:

– Pai, todas as músicas que você fica esperando tocar no rádio a gente vai poder procurar no Napster e, se alguém tiver essa música no computador, nós vamos poder pegar a música pra gente.

– E a pessoa vai ficar sem a música dela?

– Não, ela vai continuar com a música, é como se fizéssemos uma cópia.

– E a pessoa vai deixar?

– Vai, essa é a ideia do programa. É para compartilhar mesmo.

– Vou pensar então em uma música que não tenho para ver se tem nesse negócio. Tem qualquer música?

– Qualquer música!

Meia noite, a hora sagrada da internet discada, estávamos sentados, eu e meu pai, que guardava uma sincera desconfiança, para a missão de procurar qualquer música do mundo:

– Qual música você quer procurar, pai?

– Pode falar qualquer uma?

– Qualquer uma!

– Do mundo inteiro?

– Do mundo inteiro!

– Então eu quero essa aqui: Na nãnãnã Na nãnãnã Na nãnãnã Na nãnãnã.

Eu não sabia bem como reagir. Meu pai não lidava muito bem com a pressão da revolução digital e, ao mesmo tempo, estava fascinado para seu passaporte de inclusão digital. A reputação do Napster estava pronta para ser arrasada ainda em seu início.

– Você sabe o nome dessa música, pai?

– Eu não!

– E você sabe pelo menos quem canta?

– Não, tu não ‘disse’ que ele achava qualquer uma?

– Sim, mas precisamos saber o nome, o cantor, ou pelo menos um pedaço da música.

Já completamente mudando de tom, meu pai insistia:

– Mas eu cantei um pedaço!

– É, mas não foi com palavras, foi apenas um nãnãnã de melodia. Como o programa vai adivinhar qual música é?

– É isso que eu quero saber! Foi você quem falou que ele achava qualquer uma. Já vi que ele não acha é porra nenhuma. Se eu soubesse o nome, o cantor e letra eu não precisaria dele. Por mim pode jogar no mato.

Assim terminara nossa interação familiar com o Napster. Jogar no mato era uma sentença definitiva de tudo aquilo que meu pai julgava não prestar. Demorou muito tempo para meu pai beirar o Napster.

Vale dizer que fiquei intrigado por não entregar a música que ele queria. Depois de quase 1 ano de trabalho para decifrar o Na nãnãnã, finalmente achei a música e coloquei como surpresa na playlist dele.

E aí, sabe qual é?

 

 

2 comentários em “QUALQUER UMA

  1. Olmo disse:

    Sei demais!!! Muito boa!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s